Melhores universidades para trabalhar em 2019

Saber quais são as melhores universidades do Brasil e do mundo é importante para todos, desde o aluno que deseja prestar vestibular até os profissionais que buscam crescer na carreira acadêmica. As vagas em instituições de ensino superior, tanto para os cursos de graduação quanto de pós-graduação, assim como as oportunidades para integrar o corpo de docentes, pesquisadores e técnicos-administrativos, costumam ser disputadas. Afinal, a tendência é que os cargos nessas instituições paguem melhor, ofereçam estabilidade e agreguem valor ao currículo.

Para identificar quais instituições estão entre as mais reconhecidas e disputadas, é preciso considerar algumas características das melhores universidades, como a qualidade de ensino – avaliada por algumas pesquisas nacionais e internacionais –, o nível do corpo docente e técnico, o foco em pesquisas de ponta, entre outros itens. Saiba mais sobre esse assunto a seguir.

A importância de buscar uma vaga nas melhores universidades

Seguir a carreira acadêmica, seja como pesquisador ou como professor em uma universidade, significa contribuir ativamente para o avanço de conhecimento em sua área de atuação. Além disso, o docente ou pesquisador tem o papel de fazer parte de atividades de extensão comunitária que visam difundir para a sociedade o conhecimento gerado dentro das universidades e transformá-lo em prestação de serviço para o desenvolvimento humano, cultural e econômico do país.

A tarefa de classificar as universidades ao redor do mundo é complexa. Primeiramente, é feito um estudo para avaliar quais fatores serão analisados e comparados, qual a relevância e o peso de cada um deles, assim como estabelecer de que maneira serão atribuídas as notas de classificação para que o ranking gerado tenha sido feito de forma justa e esclarecedora.

Por terem essas características, os rankings de melhores universidades costumam usar os mesmos aspectos avaliadores para aferir e comparar a qualidade entre as instituições de ensino superior, mantendo sempre o enfoque na equidade.

Se você se interessou pelo assunto, conheça abaixo quais universidades nacionais e internacionais ocupam posições de destaque nos rankings e entenda por que seus profissionais e estudantes são tão disputados pelo mercado de trabalho.

Conheça as 10 melhores universidades do mundo

A 15ª edição do QS World University Rankings, divulgada por analistas globais de ensino superior QS Quacquarelli Symonds, apresenta as melhores universidades do mundo em qualidade de ensino.

O estudo, publicado desde 2004, envolve 85 países e a participação de 1.011 instituições de ensino para a sua elaboração. O ranking leva em consideração diversos parâmetros, incluindo a opinião de 21 especialistas em educação e mais 60 calouros dessa área.  

Em relação às universidades, a QS avalia aspectos que envolvem reputação acadêmica, reputação dos funcionários, estudantes e docentes, citações do corpo docente, proporção de professores internacionais e proporção de alunos internacionais.

Essa avaliação, portanto, leva em consideração também aspectos relacionados à contribuição do corpo docente e dos pesquisadores para o avanço tecnológico e para o desenvolvimento da sociedade, reforçando a reputação e a avaliação desses profissionais junto ao mercado – o que torna essas instituições muito atrativas para quem deseja trabalhar na área acadêmica.

Confira as 10 melhores universidades no mundo, segundo o QS World University Rankings 2019:  

1. Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT, na sigla em inglês), Estados Unidos, Cambridge

2. Universidade Stanford, Estados Unidos, Palo Alto

3. Universidade Harvard, Estados Unidos, Cambridge

4. Instituto de Tecnologia da Califórnia, Estados Unidos, Pasadena

5. Universidade de Cambridge, Reino Unido, Cambridge

6. Universidade de Oxford, Reino Unido, Oxford

7. University College London, Reino Unido, Londres

8. Imperial College London, Reino Unido, Londres

9. Universidade de Chicago, Estados Unidos, Chicago

10. Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, Suíça, Zurique

Não por acaso, os alunos egressos dessas instituições de ensino também são os mais disputados pelo mercado. Frequentemente, eles também são mais bem remunerados.

Segundo o Graduate Employability Rankings (em tradução livre, Ranking de Empregabilidade de Graduandos), os universitários que se formam no Massachusetts Institute of Technology (MIT), classificado como a melhor universidade do mundo no ranking QS, têm suas carreiras impulsionadas pela reputação da instituição.

Confira a relação do Top 10 das melhores universidades brasileiras

No Brasil, a tendência de os profissionais terem as suas carreiras impulsionadas pelas melhores universidades é a mesma que aquela vista em âmbito internacional.

Além das pesquisas internacionais, que incluem geralmente algumas universidades brasileiras em suas listas de 50 ou 100 instituições de renome, quem deseja saber quais são as melhores universidades no Brasil tem outros critérios que podem ser avaliados.

No Brasil, a avaliação das universidades públicas e privadas acontece principalmente de duas maneiras: por meio da classificação do MEC e pelo ranking produzido pelo jornal Folha de S.Paulo, o Ranking Universitário Folha (RUF).

Pelo MEC, o Índice Geral dos Cursos (IGC), ou seja, a avaliação da qualidade de ensino de uma universidade brasileira, é medido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável por essa avaliação e acompanhamento.

O índice é calculado a partir da média dos últimos três CPCs (Conceito Preliminar de Curso), a média das avaliações dos programas de pós-graduação stricto sensu da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a distribuição dos alunos entre os cursos de graduação e pós-graduação.

O resultado dessa equação é chamado de “Nota do MEC”, que varia de 1 a 5, sendo que quanto mais próximo de 5 melhor é a qualidade de ensino da instituição. Ou seja, instituições com IGC 4 e 5 são consideradas excelentes e aquelas que ficam abaixo do IGC 3 não atendem às exigências do MEC.

Já o RUF avalia anualmente, desde 2012, os indicadores relacionados à pesquisa, à internacionalização, à inovação, ao ensino e ao mercado para montar o seu ranking das melhores universidades brasileiras. Você pode conferir a classificação completa de 2018 clicando aqui. Todavia, deixamos aqui, a título de curiosidade, a lista das 5 melhores universidades do País, segundo o RUF:

1. Universidade de São Paulo (USP);

2. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);

3. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);

4. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp);

5. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Em relação às pesquisas internacionais, o QS World University Rankings também avalia as instituições brasileiras. Em sua edição de 2019, a classificação das universidades brasileiras em relação às pesquisas internacionais é a seguinte:

1. Universidade de São Paulo (USP);

2. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp);

3. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);

4. Universidade Federal de São Paulo (Unifesp);

5. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp);

6. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP);

7. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ);

8. Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);

9. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);

10. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Como comentamos anteriormente, a pesquisa Graduate Employability Rankings 2019 reforça a valorização que certas instituições têm no mercado de trabalho e revela como esse fator contribui para a melhor remuneração dos estudantes e profissionais que lá atuam. Na lista das 100 instituições de ensino superior preferidas pelo mercado de trabalho, seis são brasileiras.

Segundo a pesquisa, no Brasil, a USP – primeira colocada no ranking QS – também é a primeira colocada em favorecer a empregabilidade. As outras universidades brasileiras que fazem parte do ranking são a Unicamp, a UFRJ, a Unesp, a UFMG e a Universidade Federal de São Paulo.

Lembrando que, para os professores de faculdade, a avaliação da qualidade de ensino das universidades também influencia em uma melhor remuneração. Segundo a tabela de vencimentos da USP, um professor com dedicação exclusiva à universidade pode chegar a receber até R$ 16 mil por mês, dependendo de sua formação.

Outro exemplo é a Universidade Federal do Rio de Janeiro, terceiro lugar no ranking da QS: segundo matéria publicada no Portal G1, professores titulares com dedicação exclusiva àquela universidade poderiam chegar a receber até R$ 15.244,00 por mês.

As melhores universidades para professores de instituições particulares

As instituições de ensino particulares também são avaliadas por pesquisas nacionais e internacionais. Assim como nos demais casos, os cursos de universidade privada, seus docentes e pesquisadores também estão intimamente ligados para contribuir com uma boa nota nessas avaliações.

As 10 melhores universidades particulares do Brasil, com nota 5 no conceito do MEC, são as seguintes:

1. Escola Brasileira de Economia e Finanças (FGV/EPGE);

2. Escola de Economia de São Paulo (FGV/EESP);

3. Escola de Ciências Sociais (FGV/CPDOC);

4. Faculdade São Leopoldo Mandic;

5. Faculdade Fucape;

6. Faculdade Fipecafi;

7. Escola de Administração de Empresas (FGV/EAESP);

8. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV/Ebape);

9. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia;

10. Escola de Direito de São Paulo (FGV/Direito SP).

Os conceitos 5 e 4 representam excelência e isso reflete em qualidade de ensino e na atividade técnico-profissional. Entre as universidades privadas, a Estácio possui nota 4 no MEC e um corpo docente composto por mais de 7.000 professores, sendo que pelo menos 1/3 deles são mestres ou doutores, como exige o Ministério da Educação para que uma instituição de ensino assuma o patamar de universidade.

Cabe aos professores da Estácio trazerem para a sala de aula situações do dia a dia para que os alunos conheçam as exigências do mercado e saibam lidar com diversas situações do ambiente profissional.

Ao todo, a Estácio tem mais de 836.000 alunos matriculados em 91 cursos de graduação e 464 de pós-graduação espalhados por 109 câmpus e 714 polos. A Estácio atua na educação brasileira desde 1970, quando foi criada como uma faculdade de Direito, até tornar-se atualmente um dos gigantes da educação no Brasil.

Por causa disso, seus investimentos em melhores condições de ensino e trabalho são frequentes. Recentemente, a instituição investiu R$ 10 milhões em estrutura física, como laboratórios, velocidade de conexão e bibliotecas.

Ou seja, podemos concluir que é muito importante entender como a nota atribuída à uma universidade em algum desses rankings, nacionais ou internacionais, reflete também em mais reconhecimento e melhores chances de remuneração, tanto para os alunos formandos quanto para os profissionais que atuam internamente, como professores, pesquisadores e pessoal técnico-administrativo. Todos, inclusive a comunidade que circunda cada instituição de ensino superior, são impactados pela avaliação geral das universidades.

Agora que você já sabe quais são as melhores universidades do Brasil e do mundo, tanto para estudar quanto para atuar profissionalmente, está na hora de pensar nos seus objetivos. Quais são os seus planos para fazer um upgrade na sua carreira em 2019? Gostou de se aprofundar no assunto e conhecer melhor o método de avaliação e o funcionamento dos rankings das melhores universidades no Brasil e no mundo? Se ainda tiver dúvidas, compartilhe com a gente nos comentários!